#About

Who do it?   

Sabe aquela pessoa que já passou por tantas fases, tantos sonhos, que nem tem mais cores de cabelo pra pintar? (hã?) Então. Aos 12 anos pintei meu cabelo de preto azulado. Em casa. Simplesmente tinha cansado de ser a menina da lan house de bandana de caveirinhas e aquele cabelo castanho claro sem vida e sem cor. Era sem graça demais pra ser a 'sweety' que os garotinhos ficavam pasmos ao saberem que era 'a guria que estava matando todo mundo no CS'. Pois bem. Pintei e gostei. Passei a usar roupas mais escuras, digamos, porque aquela frase sempre me convenceu: preto emagrece - e pra ficar bonita tem que sofrer! Hahaha sim, isso incluía caminhar em pleno verão de Florianópolis pelas ruas de Coqueiros até onde eu desejava ir (detestava carona da mãe, na época) toda de preto, correntinhas e cabelos soltos, enormes, por sinal. Ah, sem esquecer do All Star, claro, ouvindo Blink 182, Green Day e Offspring no DISKMAN (senhor, como estou velha!) 

Então cheguei na fase das tatuagens. Ao me mudar pra cidade de Biguaçu, a 17km da cidade natal, comecei com estrelas no braço, fui para borboleta com flores aos 14 na época das raves, seguido do ôm na nuca, clave de sol no punho com 16, ideogramas japoneses na costela, e enfim as minhas amadas cerejas ainda antes dos 18. Minha mãe achava o máximo. Meu vô só gostou da parte musical, pois sempre quis que eu tocasse violão na faculdade (graças a Deus aprendi aos 11 anos, com o lindo dedilhado de Time of your life, e toco sempre que posso, pois só assim pra eu cantar um pouquinho, coisa que amo fazer, me acolhe de uma forma inexplicável).

Acho que deu pra perceber que minha história é longa, mas bem simples, apesar da dificuldade que passei pra tirar o tal preto azulado da cabeleira, aos 17 anos, passando pela fase "oi, não sou mais rebelde, só meu cabelo". Creio que logo vou postar algo aqui sobre a metamorfose das madeixas de Gabrielli Voss. Só pra desencargo de consciência, digo.
Enfim, fui ruiva, ruiva com as pontas loiras, depois fiz californianas, passando para o acaju púrpura que nada mais é do que ROXO, e ficou legal também com mechas loirinhas por dentro/pontas, até que aos poucos fui pintando de castanho e resolvi iniciar a loirisse de vez. Essa foi a fase das baladinhas sertanejas. Nada contra, mas hoje não consigo mais ficar tanto tempo em uma balada. Deve ser a idade.

Enfim.

Desde 1992 sentindo sentimentos.






5 comentários:

  1. Gabi, acabo de conhecer um Blog incrível, com conteúdos que vão além de dicas de moda. Um Blog feito pra quem busca inspiração em vários sentidos. Aqui me sinto revitalizada com as novas ideias e ansiosa pra pô-las em prática ^^

    Parabéns pelo excelente trabalho. Também não poderia deixar de comentar sobre o layout que está lindo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Camila, muito obrigada por suas palavras! Servem como um grande apoio e estímulo para ter forças e continuar seguindo em frente.

      E vindo de você, sobre o layout totalmente feito em poucos minutos e sem experiência haha, fico ainda mais feliz com o elogio! Thanks!

      Beijooooo e continue sempre por aqui, e se tiver sugestões, já sabe como me encontrar :D

      Excluir
  2. Oi florzinha, adorei o seu blog, matérias muito criativas .
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Oi Gabi, muito legal seu blog continue assim, vai fazer mto sucesso!

    ResponderExcluir
  4. Olá Gabi! Muito legal teu blog, continue com ele, volte, e siga nesta área além da música que você manda muito bem em tudo isso!! Beijão

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário! ♥